SEMA juntamente com os Estados do Pará e Tocantins realizam Oficina de Monitoria do PAT MEIO NORTE

Acessar fotos
18/11/2022

A SEMA, por meio da Superintendência de Biodiversidade e Áreas Protegidas, realizou entre os dias 10 e 12 de novembro, no município de Imperatriz, a Oficina de Monitoramento do Plano de Ação para a Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção do Território Meio Norte (PAT MEIO NORTE).

A Oficina foi organizada pelos 3 órgãos coordenadores do PAT Meio Norte (SEMA-MA, Ideflor-Bio/PA e Naturatins/TO), juntamente com a consultoria Instituto Bicho D’água. Reuniu membros do Grupo de Assessoramento Técnico-GAT, como  Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão, Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará, Instituto Natureza do Tocantins, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hidricos de Imperatriz,  Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Canaã dos Carajás/PA, Empresa Fauna Maranhão, Universidade Federal do Maranhão, Jardim Botânico do Rio de Janeiro, sociedade Brasileira de Espeleologia, WWF-Brasil e Colaboradores,  com o objetivo de avaliar o primeiro ano de ações desenvolvidas e planejar os próximos quatro anos de atividades do PAT MEIO NORTE.

Os três dias de Oficina foram realizados de maneira dinâmica com a facilitação do Instituto Bicho D’água, com momentos de plenária para conceituação da metodologia a ser desenvolvida, divisão de grupos para avaliação das ações por objetivo, plenária para aprovação das propostas dos grupos e visita técnica no Parque Municipal Horto Arara Azul, onde a  expedição do PAT Meio Norte realizada em outubro, identificou uma das espécies alvo de plantas, a Erythroxylum ayrtonianum.

“A Oficina de Monitoria do PAT Meio Norte representou um momento fundamental na implementação do Plano, sendo o primeiro encontro presencial do GAT, promovendo maior interação entre os representantes, além da avaliação ter sido positiva do primeiro ano de ações e ainda a oportunidade de conhecermos uma das espécies alvo, que não era vista na natureza,a mais de 40 anos”, afirmou Laís Morais Rêgo, Superintendente de Biodiversidade e Áreas Protegidas da Sema e Coordenadora do PAT Meio Norte no Maranhão.

O PAT é coordenado pelos estados do Maranhão, Pará e Tocantins faz parte do Projeto Pró-Espécies coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, financiado pelo Fundo Mundial de Meio Ambiente (GEF) e implementado pelo Fundo Brasileiro para Biodiversidade (FUNBIO), tendo como Agência Executora o WWF-Brasil. Reúne um conjunto de instituições que estabeleceram ações com o intuito de conservar as espécies nativas e reverter ou minimizar os efeitos negativos dos vetores de pressão incidentes sobre elas, tanto em relação ao declínio populacional quanto à degradação dos ambientes, atuando assim como um instrumento de gestão para conservação de espécies ameaçadas de extinção no Território Meio Norte.

 O PAT Meio Norte é um conjunto de 27 ações, que devem ser implementadas no intervalo de cinco anos e são divididas em quatro objetivos. Esses objetivos são voltados para a pesquisa das espécies alvo e beneficiadas; capacitação de atores sociais com envolvimento no tema; implementação de medidas de conservação in situ, ex situ e on farm e fortalecimento da legislação ambiental voltada para conservação de espécies ameaçadas de extinção.